25 novembro 2011

O Amor de Deus




"O AMOR de Deus por nós é aquele Amor que olha para o fundo de nossa alma e é capaz de enxergar que AINDA VALEMOS A PENA, apesar de nós mesmos já estarmos convencidos do contrário!"

23 novembro 2011

Educar é amar



“A educação é um ato de amor, por isso, um ato de coragem. Não pode temer o debate. A análise da realidade. Não pode fugir à discussão criadora sob pena de ser uma farsa” (FREIRE, 1980, p. 104). 

Uma escola por mais estruturada que seja, por mais qualificados que sejam os professores e preparados para ensinar, nunca irá suprir a carência deixada por uma família ausente. Pai, Mãe, avó ou avô, tios, quem quer que tenha a responsabilidade pela educação da criança deve participar efetivamente, sob pena de a escola não conseguir atingir seu objetivo. A família tem de acompanhar de perto o que se desenvolve nas escolas.
Estamos vivendo um momento crítico no que diz respeito à falta de AMOR entre seres humanos, e isso atinge principalmente a família que é projeto de Deus.
A cada dia uma família está em crise! Os problemas familiares crescem dia após dia. Famílias fragmentadas, sofrendo a dor de separação por falta de AMOR. Muitos não querem constituir ou reconstituir uma família devido à falta de compromisso, respeito e AMOR ao próximo. E são os filhos que mais sofrem com todo esse descaso inconseqüente dos adultos.
Sou educadora e tenho percebido o quanto uma criança bem amada tem resultados impressionantes. Todas são inteligentes, porém, a separação dos pais, brigas, falta de carinho, falta de diálogo, falta de ensinamentos bíblicos, falta do AMOR de Deus em suas vidas, causam um mal enorme e doloroso. Elas não conseguem assimilar de fato o que está acontecendo e a dificuldade de interagir no ambiente escolar e se desenvolver como uma criança normal é inevitável.
Jesus, porém, disse: Deixai os pequeninos, não os embaraceis de vir a mim, porque dos tais é o reino dos céus. Mt 19.14
É dever dos pais, responsáveis mostrarem o caminho do AMOR para as crianças.
Todos os filhos desejam ser especiais para seus pais. Eles anseiam por receber atenção, AMOR, segurança. Para as crianças os pais são um referencial com o qual eles sempre poderão contar. Quando os pais e familiares não vivem com AMOR, desencadeia-se um processo de destruição familiar e da sociedade. Falo aqui principalmente da falta do AMOR na família, mas não poderíamos esquecer que, como seres humanos, vivemos em comunidade/ sociedade e é nosso dever lutarmos para que o AMOR esteja presente nas nossas escolas, nos locais de trabalho, no trânsito e nas diversões.
Nunca devemos negar o AMOR. Devemos sim talvez, mudar a maneira de demonstrarmos esse AMOR, pois reflete a compreensão do AMOR de Deus por nós. Devemos estar sempre prontos para ouvir, perdoar, abraçar, apoiar, consolar, rir e chorar por todos que dele (o AMOR) necessitam.  





Autora: Simone Bragança - Pedagoga – Professora do Ensino Infantil e Fundamental.

20 novembro 2011

O insondável amor de Deus

Onde estava o amor de Deus quando Jó fora posto a sua terrível prova?
Talvez nenhum outro homem tenha sofrido tanto o quanto Jó em sua época e nem haverá no dias atuais. Sua prova foi ímpar!
E era o seu gado sete mil ovelhas, e três mil camelos, e quinhentas juntas de bois, e quinhentas jumentas; era também muitíssima a gente ao seu serviço, de maneira que este homem era maior do que todos os do Oriente. Jó 1.3
É fácil ver o grande amor de Deus no primeiro estado da vida de Jó. Saiba que ele era o maior amigo de Deus na terra em sua época, ele era o maior orgulho de Deus. O Senhor testemunha que ninguém, ninguém em toda terra era como ele. Ele era singular, ele era o xodó de Deus.
O Diabo nem tocou se quer no nome dele, foi Deus quem instigou a conversa, ao ler sua história verás que Deus incitou o diabo por duas vezes, o que da a impressão de uma mera provocação por parte do próprio Deus.
É assim quando temos um grande amigo, queremos demonstrar com orgulho a todos os demais o quanto o estimamos e o amamos.
Jó tinha um relacionamento de laços estreito com seu Criador.
Disse o Senhor a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele... Jó 1.8.
Também é notório o amor de Deus no último estado da vida de Jó, uma vez que o Senhor derramou porção dobrada sobre sua vida.
Agora ver o amor de Deus quando o mesmo é afligido, sem justa causa, tenhamos que concordar, não é fácil.
Quem não se revoltaria em momentos a tantas dores quanto as de Jó, perder todos os seus: bens, filhos, empregados, amigos, a felicidade, a saúde, a dignidade e etc. Tudo em um só dia, repentinamente, como um golpe certeiro.
Satanás recebeu de Deus o poder para fazer o que desejasse de mal a Jó, salvo tirar a sua vida. Pois Deus tinha algo reservado de especial para suas ‘cinzas’.
Como seria possível achar amor de Deus nos retalhos de Jó?
E disse o Senhor a Satanás: Eis que ele está na tua mão; poupa, porém, a sua vida. Jó 2.6
Já que Deus permitiu, então, Satanás sai da presença do Senhor e desfigura a imagem de Jó com apenas um toque de seus dedos sujos, e aí está o resultado:
Então saiu Satanás da presença do SENHOR, e feriu a Jó de úlceras malígnas, desde a planta do pé até ao alto da cabeça. E Jó tomou um caco para se raspar com ele; e estava assentado no meio da cinza. Jó 2.7,8.Qual o pai ou a mãe que teria coragem de fazer o que Deus fez? Colocar nas mãos de uma pessoa o seu próprio filho. Vou ser mais dramático, qual o pai teria coragem de colocar o seu próprio filho nas mãos do diabo?
Pois bem, Deus o fez, sim Deus o fez, mas não de maneira irresponsável. Pois como soberano ele sempre está no controle de tudo e de todos. Deus tinha um propósito com isto, manifestar a sua glória!
Se todos os demais eram iguais na maneira de viver na geração em que viveu Jó, há de se entender, que só haveria uma pessoa no mundo pelo qual o nome de Deus pudesse ser exaltado com excelência, através do justo e reto Jó.
E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus. Jó 9.1-3
Se pudéssemos voltar ao tempo, diríamos aos quatro personagens que foram infelizes ao imputarem pecado a Jó e aos seus filhos: Hei amigos, nem ele pecou nem seus pais ou filhos; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus.
Sim, talvez Jó não nasceu com este propósito, mas após o desafio proposto por Satanás, Deus pode ter visto uma boa oportunidade de manifestar a sua glória através de um simples mortal.
Pois “O teu princípio, na verdade, terá sido pequeno, mas o teu último estado crescerá em extremo”. Jó 8.7
E o Senhor virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou a Jó outro tanto em dobro a tudo quanto dantes possuía. Jó 42.10
Pois todo este evento não se deu apenas por um modesto capricho de Deus. Mas para que toda a humanidade fizesse conhecer sua história e entender que é possível um ser mortal revestido de pele, carne e ossos, adorar a Deus mesmo diante de qualquer circunstância.
Talvez nenhum outro mortal tenha demonstrado tamanho amor por Deus quanto este homem.
O amor de um homem se mede não só pelo que se ganha de bens, já que isto não demonstra somente interesse, mas gratidão; mas este amor pode ser medido também pelo seu sofrimento.
O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 1 Co 13.7
Este amor acima que tudo suporta não é efêmero, mas sólido como o de Jó para com Deus.
Ainda que ele me mate, n'Ele esperarei. Jó 13.15a
Sua história ficaria registrada por milhares e milhares de anos até a vinda do Messias. Povos, línguas e nações conheceriam sua história.
Jó é um marco de fidelidade entre o homem e seu Criador mesmo nos momentos de grande aflição, não só na sua era, mas em tempos vindouros.
Deus arriscou o seu grande projeto arquitetado na vida de Jó, já que ele tinha o livre arbítrio, o de adorar a Deus ou o de amaldiçoá-lo e com isto render-se aos pés do diabo.
Assim foi Jesus na cruz do Calvário para nos salvar. Mas Deus confiava em Jó como em todo verdadeiro laço de amizade.
Eu poderia falar sobre o amor de Deus ao entregar o seu único filho nas garras da morte por amor a mim e a você. Mas pelo acervo de informações a este respeito decidi escrever algo diferente.
Talvez antes de ler esta mensagem você só tinha olhos para a misericórdia de Deus na vida de Jó. Mas entenda que o amor de Deus sempre esteve ao seu lado.
Talvez você possa estar passando pelo estreito de Deus, mas eu te digo com toda propriedade, não renda-se aos pés do diabo, não blasfeme ou murmure, apenas adore a Deus mesmo nas cinzas porque o seu redentor vive e no final se levantará ao seu favor. Veja Jó 19.25
Procure esvaziar-se de si mesmo a cada momento, pois isto te levará as águas do rio de Deus como foi na vida de Naamã.
Cada vez que Naamã mergulhava, ele esvaziava-se, pois tinha que esquecer o seu poder militar, sua pompa e se render aos pés do Senhor.
Jó se achava ‘o cara’, mas precisou esquecer que era justo e reto e parar de se auto-justificar, pois este papel peculiar e único é do nosso fiel advogado Jesus Cristo. Era necessário entender que o fato dele se sentar na cadeira de príncipe, interceder pela causa dos órfãos, das viúvas, ser os olhos do cego, o arrimo do manco e o abrigo do forasteiro não lhe levaria a lugar algum.
Então Jó aniquila o seu eu e rende-se aos pés do Todo Poderoso, e só assim ele pôde alcançar vitória.
Aprenda com Jesus meu querido, o Mestre da humildade.
... aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Mt 11.29b
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e achando na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome. Fp 2.6-9
Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que, ao seu tempo, vos exalte. 1 Pe 5.6
Lembre-se nada neste Mundo poderá nos separar deste amor incondicional de Deus que excede todo o nosso entendimento. Nenhuma prova de fogo pode ser maior do que o amor de Deus para conosco.
Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Rm 8:35-39
Misericórdia é um termo derivado do latim. Miséri que significa miserável e córdia ou cárdia que significa coração.
É Deus pegando um miserável e pecador e pondo dentro do seu coração.
Agora você pode compreender porque “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3.16

 




 Autor: Josué Lopes
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 renata massa